sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

que eu tenha a quem amar.


O café estava forte , a noite quente insistia em cair e o som dos trovões ensurdeceu a minha mente , assim como a chuva pela janela , minhas lágrimas escorriam formando um sintonia ideal com meu rosto gélido, a chuva em si carregava tudo o que via , e levava com ela além de troncos e galhos todo aquela alegria que eu havia vivido alguns dias a traz, e trazia juntamente com o vento medo e dor ao meu coração artificial que insistia em bater desprotegido e só, eu tentava entender e descobrir de que temia , mas minha cabeça que já latejava nao encontrou nenhum motivo claro, e continuei ali imersa sobre a luz daquela pequena vela que tentava de forma inútil iluminar aquela noite. Como sempre me sentia cada vez mais só , e precisava de alguém , pra tirar meu medo , e com isso forte como aqueles trovões vieram as lembranças e lembrar de voce , era o que eu mais temia , estava me saindo tao bem ,controlando meu vicio de voce tao bem ... mas veio. lembrei dos nossos banhos de chuva, lembrei como voce tampava meus ouvidos quando eu fingia estar com medo daqueles barulhos lá fora, mas quem nunca se sentiu assim , quem nunca quis nao lembrar e lembrou?!com o passar do tempo a chuva ia cessando , mas dentro de mil o temporal apenas havia começado , eu nao estava em si , nao estava ,estava distante , na sua cama , no seu colo. e com tantos problemas , ou algumas coisas boas pra pensar , pensar nele por que? e assim aquela noite passou , como de fato nao dormi , tenho notado que minhas lembranças andam mais fortes que aquele remédio que antes era certeiro , ainda espero o dia que a solidão e as lembranças nao venham me assombrar em noites como as de ontem , espero o dia que eu tenha novamente a quem amar , e que eu tenha novamente quem me proteger e me fazer dormir cantando aquela velha de ninar que eu precisava desesperadamente ouvir, espero o dia que eu possa amar sem medo , e se tiver medo que eu tenha a quem amar.


" Do amor pouco sei,
E quase tudo espero
amando eu me acalmo e me desespero "


- o texto foi escrito na noite de ontem , mas como nao havia energia inicialmente teve de ser a moda antiga , com lápis e papel.



5 comentários:

  1. O medo de perder tira a vontade de ganhar...

    Belas palavras, como sempre encontro aqui.

    Parabéns!!! ;)

    ResponderExcluir
  2. "espero o dia que eu possa amar sem medo , e se tiver medo que eu tenha a quem amar." um trecho que hoje acontece comigo. Amo, embora tenha medo, mas o mais importante é ter alguém para amar.

    Desejo que consigas isso também.

    ResponderExcluir
  3. lembranças de uma velha história de amor, e assombram com um certa regularidade, quando penso que sou forte e estou totalmente controlavel.. elas me invadem, uma forma da qual eu me sinto pequena, e fraca!
    mas sei que tenho que viver sem medo, uma hora ou outra elas voltam, mas preciso tentar ser cada vez mais forte que elas, é dificil, mas eu não desisto!
    não não tenho medo do amor, porque sei que vai demorar até ele conseguir me fisgar novamente!
    Parabens pelo belo texto :)beijo

    ResponderExcluir
  4. Estar sozinha por um lado é ruim, pois ficamos bastante vulnerável ao nossos medos.
    Mas as vezes é bom, pq é quando nos encontramos e descobrimos mais de nós mesmos .

    beijos linda , adorei o texto!

    ResponderExcluir
  5. Conseguiu inspiração na tempestade passada? Isso demonstra que esse sentimento dentro de você transborda a qualquer momento.

    Terás sim a quem amar. E não terás medo!

    Beijos, Feliz natal e um ano novo CHEIO DE AMOR E PAIXÃO.

    ResponderExcluir