sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

nostaugia .


Capítulo XI - nostaugia


(...) saudade do meu tempo livre em que eu queimava cigarros na areia do mar , saudade da agua , das minhas reflexoes inuteis sobre a areia salgada que a pouco me molhava e me fazia sentir frio , e eu adororava a sensação , sempre fui fã do frio da nostaugia (...) , saudade de ouvir meu caro cartola vendo as ondas bater , elas vinhas e beijavam a praia com uma sintonia ideal , é eu realmente devo estar necessitada de umas grandes férias , pra esquecer todos esses meus insoluveis problemas e buscar possiveis soluções , estou precisando dumir as quatro, insana e ver o sol nascer na praia do cimitério que invade o meu jardim pela manha,to precisando da praia do forno , daquele azul ,daquela fumaça a noite , que nos deixava sem medo , sem rancor; to precisando da calma que o litoral me faz , de como ele me faz lembrar voce , das vezes em que nos amamos na areia , nas vezes em que ouviamos o vento soprar forte e nos arrepiavamos de frio , ou talvez não. Mas com todo a minha convicçao, o que eu estava realmente precisando agora , era de você comigo ,pra me fazer feliz, ou talvez não.




" trecho retirado de um livro meu , que fatalmente foi um dos muitos que eu comecei e ficou sem fim (11/2008) "

4 comentários:

  1. Muito bonito o trecho. A saudade é realmente um sentimento sem explicações e pode aumentar ou diminuir gradualmente, conforme o coração quer.

    Parabéns pelo texto.

    ResponderExcluir
  2. A saudade pode ser amiga,se esta for positiva....mas, se esta jogar contra nós....aaaaaah, aí gera-se um problema finito. Sim, finito, pois só terá fim no momento em que tiver coragem para enfrentar de frente. =)

    ResponderExcluir
  3. Adorei o trecho.
    Me indentifiquei com ele.


    Beijo

    ResponderExcluir
  4. nooooossa, eu juro que não sei como esse trecho pode se encaixar tanto na minha vida, tanto no que eu vivi, e ainda vivo, a praia sempre foi cenário principal, do meu grande amor, ou pelo menos la nós estavamos verdadeiramente em casa!
    me fez chorar, uma nostalgia.. eterna

    ResponderExcluir