quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

quem é mais sentimental que eu ?

Eu poderia passar cem anos adormecida, mas seriam apenas cem anos solitária. Não me revigorariam. Para o meu cansaço corporal, algumas horas bastariam. Mas para o cansaço da minha alma, nem o sono eterno é capaz de amenizar, tampouco curar. Os machucados do meu corpo correspondem apenas a um espelho de capacidade ínfima, em relação aos machucados espirituais que tenho. A diferença é que meus machucados externos se cicatrizam e, com o tempo, some e o que tenho dentro de mim nunca saram. Minha memória é como uma unha que coça até tirar a casca que se forma sobre o sangue exposto na pele. Ela arranha as feridas antigas de supetão e, de repente, minha alma inteira sangra.Minhas lágrimas escorrendo são um reflexo atenuado do sangue que se espalha dentro de mim. Meu corpo é que deveria estar tão enfraquecido, já que chegará um dia que ele irá se desintegrar de mim, mas é justamente meu íntimo que está tão corroído pela dor. Será que o meu eu haverá de ser o único destruído? Ou encontrarei outras almas absortas em sofrimento, caos e desilusão como a minha?
Posso fechar os olhos agora, e dormir para sempre. Mas pode ser que eu nunca mais consiga dormir. E quanto mais eu penso no que fazer, mais me afundo em dor; mais choro de tristeza e melancolia.

3 comentários:

  1. O tempo há de tirar esses machucados da alma do centro das antenções. e tudo ficará bem!
    ^^

    beijos!
    Nii

    ResponderExcluir
  2. As vezes queremos dormir e nunca mais acordar pra não ter mais que encarar as fraquezas da vida.
    É complicado, queremos estar sozinhos mas temos medo da solidão.. mas por mais que venhamos a desejar isso não somos capazes de viver num mundo sem pessoas.


    gosteu do texto, beijos.

    ResponderExcluir
  3. O tempo, ao mesmo tempo que nos é favorável, pode ser arrasador senão souvermos utilizá-los ao nosso favor.

    Durante a sua caminhada, certamente, vc irá encontrar pessoas com as mesmas dores, ou até mesmo maiores.


    "Eu disse e nem assim se pôde evitar
    De tanto eu te falar
    Você subverteu o que era um sentimento e assim
    Fez dele razão pra se perder
    No abismo que é pensar e sentir..."

    ResponderExcluir