segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

toc toc

Ela saiu de casa como sempre insegura , estalava os dedos em uma certa ordem que ela mesma nem sabia , ela estava tao carente que certamente nao passaria a noite em casa, junto com ela estava aquela garrafa de martini da mais barata que ela pode arrumar , mas que certamente estava muito boa , e as vezes dava vontade de abrir , mas ela ja estava totalmente alagadada pois chovia tanto , que chegar com a garrafa pela metade e com cheiro de bebida seria pior do que aquele seu cabelo que nunca fora tao bom e agora estava feito um pinto molhado ,
As vezes os carros passavam voando por ela e a molhava inteira , mas quem esta na chuva é mesmo pra se molhar né?
As vezes ela delirava e se sentia nos braços dele , sentia seus beijos com gosto de menta e aquela abraço de anjo , quando voltava em si o que lhe dava coragem de seguir era saber que ele estava a esperando , na porta , com aquela cara de stuart dele , com um vinho quente na mao , porque naquele frio ela nem mais queria saber de martini , mas sim de vinho , chocolate quente , e aquelas coisas de inverno , tipo sexo.
Assim passaram as ruas , estava tao alagada que nem mais sentia como os carros passavam a cem por hora e acabavam de jogar toda aquela lama do meio fio em seu vestido , sim ela fora de vestido , talvez achasse mais sexy e a noite prometia , ele sempre gostou quando ela ia de vestido , e ela achava um tedio , nunca foi muito comportada ,
Depois de muito andar , e procurar um taxi que nunca passava , ela chegou , tendou dar algum jeitinho no seu cabelo naquele elevador venho e que lhe passava medo , mas nao consiguiu , tinha esquecido que nem espelho aquela porcaria tinha , bateu , bateu mais uma vez , ligou e nada , será que ela estava delirando quando ouviu aquela voz fria no telefone? sera que de tanta carencia ela ficara maluca e estava ouvindo vozes? ate agora ela nao sabe , so sabe que ficou sem o vinho ou o chocolate quente , durmiu sem seu orgasmo e nao soube como chegar chegar em casa.

3 comentários:

  1. Interessantes suas palavras, e a dinâmica do seu conto! Adorei, parabéns!

    ResponderExcluir
  2. imagininando a cena, lembro de um defeito meu, eu minto, invento coisas, pra mim mesmo, isso é um vicio, invento pra me sentir mais feliz, mais segura, quem sabe..
    Tenho de medo de confunfir, o real, com o inventado!
    Belissimas palavras :)

    ResponderExcluir
  3. O desejo por algo pode nos trair, confundir. Mas não deixe de desejar, é uma das melhores coisas que podemos fazer.
    Gostei do texto, da forma como abordou.

    Beijos.

    ResponderExcluir