domingo, 20 de junho de 2010

Anáfora.

Se for pra falar de amor: me chame
Se é pra me chamar, livre-me
Se é pra livrar, que seja do mal
Se for mal, me encanta
Se é pra encantar, sorria
Se é pra sorrir, que seja pouco
Se é pra ser pouco, não seja
Se for pra não ser, minta
Se for pra mentir, que seja sincero
Se for pra ser sincero, que me interesse
Se for para interessar, que seja em sexo
Se for pra falar de sexo, me conte
Se for pra me contar, que sejam verdades
Se for pra falar verdade, que valha a pena
Se for pra valer a pena, que seja a vida inteira
Se for pra ser a vida inteira, que seja intenso
Se for pra ser intenso, que não seja o fluxo
Se for pra falar de fluxo, que sejam de vidas
Se forem vidas, que sejam bem vividas
Se forem vividas, que sofram por alguém
Se for para sofrer por alguém, que este mereça
Se este merecer, se entregue
Se for pra se entregar, que seja com emoção
Se for emoção, esconda
Se for pra esconder, os seios
Se for os seios, mostre
Se for mostrar, que gostem
Se gostarem , que digam
Se disserem, que seja auto
Se for auto, que seja em bom som
Se for em bom som , camelo
Se for camelo será bom ,
Se for bom, fará de novo
Se fizer de novo , não se arrependa
Se caso arrepender, seja do que não fez
Se não fizer , ainda há tempo
Se há tempo , viva
Se for pra viver, que seja feliz
Se for pra ser feliz, que não se esqueça
Se for pra esquecer, que esqueça as brigas
Se for pra brigar, que não seja por ciúmes
Se for pra ter ciúmes, que seja da sua família
Se tiver família , os ame
Se for amar, que ame com a razão
Se for com razão, não sofrerá
Se for sofrer , sobreviva
Se for pra sobreviver, que seja da chuva
Se for pra chover, que sejam canivetes
Se chover canivetes, se mate
Se for pra se matar , avise
Se avisar, desista
Se desistir, me chame
Se me chamar que seja pra falar de amor.


sábado, 19 de junho de 2010

don't let me out.


Vou sentar em frente ao mar e contar meus receios, como se faz nos filmes, vou contar minhas vitorias e inventar emoções que nunca antes foram vividas.Se lamentar de todos os erros drásticos que nunca mais terão consertos e irão levar conseqüências para o resto da vida , vou sentar em frente ao mar e refletir das atitudes tomadas e tentar desculpar tudo aquilo que me aflige , tentar desfazer toda a dor que me corroe , tomando uma boa dose de algo e sentindo a brisa fria do inverno , é bom sentar em frente ao mar e criar metáforas para as emoções , criar razão para todas as frustrações que vieram incisivamente com os erros .

Talvez o mar me traga alento, talvez o mar seja capaz de subverter tudo isso que não tem sentido na nossa pequena e parva trajetória deste
quase amor, talvez o mar me fale o que eu realmente preciso de você, talvez nos de exegese de tudo que a gente viveu, me explique o porque da minha obsessão e me dê sentido; que é tudo que nesse momento eu preciso, de respostas e não perguntas, de soluções e não mais demasiados caminhos.

Vou sentar em frente ao mar e ouvir a nossa música e que esta me faça feliz, me faça lembrar o seu cheiro, os seus beijos e idolatrar o meu passadismo, que este mesmo mar me lembre do seu não sentimento e do perpétuo amor que eu sinto
por você, que este me traga o mesmo arrepio que você me traz. Vou sentar em frente ao mar e lembrar as nossas risadas, dos nossos momentos, dos nossos fiascos, do nosso amor.Vou sentar em frente ao mar e me lembra de você.Lembrar do vazio que você faz em mim.


Agimos certo sem querer, foi só o tempo que errou
Vai ser difícil sem você porque você esta comigo o tempo todo
E quando vejo o mar existe algo que diz;
Que a vida continua e se entregar é uma bobagem.

LegiãoUrbana- vento no litoral.




quarta-feira, 16 de junho de 2010

um breve adeus ao pessimismo.

Não era uma vida que tinha tudo aos seus pés, nao era uma menina mimada que nunca teve que se esforçar por um beijo, nao eram poucas as coincidências; porque antes de tudo eu te olhava e me via, e até que achava um pouco parecido seu jeito com meu, achava até um bocado interessante fazermos as mesmas coisas e ouvirmos a mesmas musicas clichê da época, nao era só mais um beijo escondido e uma risada sem graça, nao era só mais post, nao era só mais te amo, mais um deboche de muitos, mais um desprezo de todos, nao era só mais uma traição, nao era só mais uma desconfiança ou vingança, nunca era só pra mim. Logo eu que nunca fui muito sentimental, você subverteu tudo o que eu acreditava, e o quanto eu te falei que podia mudar, e você sempre me avisou e eu me recusei a ouvir, me recusei a falar do que foi pra você, mas isso nao vai me livrar de viver, nao vai me livrar de sofrer porque você me trocou por outra pessoa, justamente na época que eu pensava ser só sua, e isso ninguém vai tirar do lugar,
E é estranho porque lá no fundo eu sabia, ou nao, eu imaginava ,vai ver que eu achei um dia que você me amava assim como eu um dia te amei,vai ver que um dia eu acreditei em todas as palavras que você me disse, ou me induzi a acreditar pra nao te perder, isso nao é um texto, um poema, isso é um desabafo, porque sua conta vai vim cara e eu também nunca consigo falar tudo porque aquele efeito que você tem sobre mim está reduzido, mas nao morto, afinal nada que vem de você morreu, o meu sentimento por você também nao, que clichê e estúpido isso, eu estava muito bem me auto afirmando que tinha te esquecido e era uma ótima idéia te deixar com suas novas amigas e suas drogas, mas nao de uma hora pra outra tudo veio à tona, e eu tenho tanto medo de parecer estúpido como essas vadias sujas que te idolatram feito ídolos de rock eu as acho sinceramente tão tolas.
Se você me viesse estaria aqui, eu sempre estive aqui pra você, de olhos abertos, eu abriria mão de todas as minhas situações pendentes porque você não é a única, abriria mão da minha moral, teria coragem de enfrentar a ira de todas as pessoas que te amam já que você é infalivelmente atraente, e eu realmente nao sei como você sabe lhe dar com isso, e como sabe lhe dar comigo, porque nem eu sei mais,

E também nao sei lhe dar com esse receio que vem como o frio, de repente e incomodo esse medo e ser apenas mais uma tentativa em vão, porque eu nao sou mais de perder tempo , e mesmo que o meu interior seja o mesmo e minha cara de ruim convincente a distancia nos fez pessoas parecidas e eu aprendi tudo o que precisava e nao vou mergulhar se nao tiver retorno eu tenho a plena convicção do que pode acontecer, até porque eu consegui dormir hoje e nao fiquei pensando em você , nao olhei a sua foto no meu celular nenhuma vez , nao me deu vontade de fumar, nem de te ter aqui.
Você tem tudo em uma mão, e eu nao outra. Que isso nao seja mais uma conversa ao acaso, mais umas palavras ao vento, mais uma ilusão proposta, porque para mim nao será, nunca foi. Porque pra mim nao eram duas vidas, nao era só carinho, só uma musica só uma lágrima era mais, nao era só amor... Era mais

Amar não é questão de sentimento, e sim de opção.


para ler ouvindo : a falta - canto dos malditos na terra do nunca.



Fiz aquele anúncio e ninguém viu ,
Pus em quase todo lugar a foto mais bonita que eu fiz,
você olhando pra mim.
Alto aqui do sétimo andar longe,
eu via você e a luz desperdiçada de manhã num copo de café;
Deus sabe o que quis foi te proteger do perigo maior,
que é você ,
e eu sei que parece o que não se diz o seu caso é o tempo passar
(...)
Os poucos que viram você aqui me disseram que mal você não faz ,
e se eu numa esquina qualquer te vir ,será que você vai fugir?
Se você for, eu vou correr . Se for, eu vou .


do sétimo andar - rodrigo amarante

segunda-feira, 14 de junho de 2010

sobre nós , apesar de.

Podemos ser claros. Como era antes, seja lá como for. Alguém tentou desesperadamente nao querer tal reação , nao escrever fatos simplórios e indeterminados, tentar o que queria , nao o que era , trocar seus beijos por um sexo qualquer , mergulhar em livros e esquecer a dor, se apaixonar por aquele que da retorno, já que passas as noites sem sua presença naquela cama vazia , que exalava seu cheiro , eram noites frias.
poderia tentar desesperadamente ou nao , exorcizar todos aqueles demônios que ficava livres quando voce me vinha na alma , quando voce me matava de amor , logo eu que sempre fui de se ser assombrada por fantasmas ancestrais veio você com cara de anjo que nao me deixa em paz , que nao me liberta nunca , e logo eu que pensava que nao ia sentir isso nunca mais na vida ,que sentir falta era coisa de desocupado, que vivia bem sem carinho e acreditava nessa mentira tao convicta que eu mesma havia inventado para mim , e foi duro perceber que a sorte nao me escolheu , que eu sou o que faço, nao o que planejo ser , que nada nem ninguém muda essência , por isso meu caro nao existe , foi árduo perceber que a pior mentira e a minha mesma , e a maior falta é da não inocência porque eu nao sei calcular quanta falta você me faz. Mas é qualquer coisa que deve caber nesse vazio que fica toda vez que você não está. ou seja sempre.

" as vezes parecia , que era só improvisar e o mundo então seria um livro aberto. Até chegar o dia em que tentamos ter demais vendendo fácil o que não tinha preço. Eu sei, é tudo sem sentido, quero ter alguém com quem conversar alguém que depois não use o que eu disse contra mim "
(dado villa-lobos, renato russo, marcelo bonfá e renato rocha)