sábado, 19 de junho de 2010

don't let me out.


Vou sentar em frente ao mar e contar meus receios, como se faz nos filmes, vou contar minhas vitorias e inventar emoções que nunca antes foram vividas.Se lamentar de todos os erros drásticos que nunca mais terão consertos e irão levar conseqüências para o resto da vida , vou sentar em frente ao mar e refletir das atitudes tomadas e tentar desculpar tudo aquilo que me aflige , tentar desfazer toda a dor que me corroe , tomando uma boa dose de algo e sentindo a brisa fria do inverno , é bom sentar em frente ao mar e criar metáforas para as emoções , criar razão para todas as frustrações que vieram incisivamente com os erros .

Talvez o mar me traga alento, talvez o mar seja capaz de subverter tudo isso que não tem sentido na nossa pequena e parva trajetória deste
quase amor, talvez o mar me fale o que eu realmente preciso de você, talvez nos de exegese de tudo que a gente viveu, me explique o porque da minha obsessão e me dê sentido; que é tudo que nesse momento eu preciso, de respostas e não perguntas, de soluções e não mais demasiados caminhos.

Vou sentar em frente ao mar e ouvir a nossa música e que esta me faça feliz, me faça lembrar o seu cheiro, os seus beijos e idolatrar o meu passadismo, que este mesmo mar me lembre do seu não sentimento e do perpétuo amor que eu sinto
por você, que este me traga o mesmo arrepio que você me traz. Vou sentar em frente ao mar e lembrar as nossas risadas, dos nossos momentos, dos nossos fiascos, do nosso amor.Vou sentar em frente ao mar e me lembra de você.Lembrar do vazio que você faz em mim.


Agimos certo sem querer, foi só o tempo que errou
Vai ser difícil sem você porque você esta comigo o tempo todo
E quando vejo o mar existe algo que diz;
Que a vida continua e se entregar é uma bobagem.

LegiãoUrbana- vento no litoral.




Nenhum comentário:

Postar um comentário