segunda-feira, 14 de junho de 2010

sobre nós , apesar de.

Podemos ser claros. Como era antes, seja lá como for. Alguém tentou desesperadamente nao querer tal reação , nao escrever fatos simplórios e indeterminados, tentar o que queria , nao o que era , trocar seus beijos por um sexo qualquer , mergulhar em livros e esquecer a dor, se apaixonar por aquele que da retorno, já que passas as noites sem sua presença naquela cama vazia , que exalava seu cheiro , eram noites frias.
poderia tentar desesperadamente ou nao , exorcizar todos aqueles demônios que ficava livres quando voce me vinha na alma , quando voce me matava de amor , logo eu que sempre fui de se ser assombrada por fantasmas ancestrais veio você com cara de anjo que nao me deixa em paz , que nao me liberta nunca , e logo eu que pensava que nao ia sentir isso nunca mais na vida ,que sentir falta era coisa de desocupado, que vivia bem sem carinho e acreditava nessa mentira tao convicta que eu mesma havia inventado para mim , e foi duro perceber que a sorte nao me escolheu , que eu sou o que faço, nao o que planejo ser , que nada nem ninguém muda essência , por isso meu caro nao existe , foi árduo perceber que a pior mentira e a minha mesma , e a maior falta é da não inocência porque eu nao sei calcular quanta falta você me faz. Mas é qualquer coisa que deve caber nesse vazio que fica toda vez que você não está. ou seja sempre.

" as vezes parecia , que era só improvisar e o mundo então seria um livro aberto. Até chegar o dia em que tentamos ter demais vendendo fácil o que não tinha preço. Eu sei, é tudo sem sentido, quero ter alguém com quem conversar alguém que depois não use o que eu disse contra mim "
(dado villa-lobos, renato russo, marcelo bonfá e renato rocha)

Nenhum comentário:

Postar um comentário