quarta-feira, 22 de setembro de 2010

da força que tem,

E então transborda. De forte. É um amor assim tão delicado, que dá medo de tocar. Tão doce, de lamber os dedos. Tão puro, que ainda nem sabe a força que tem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário