domingo, 31 de outubro de 2010

dos encantos

Teus olhos abrem pra mim todos os encantos bons.

juntos

dobra o horizonte pra mim.

sábado, 30 de outubro de 2010

só coração.

O que revela a nossa força não é sermos imbatíveis, incansáveis, invulneráveis. É a coragem de avançar, ainda que com medo. É a vontade de viver, mesmo que já tenhamos morrido um pouco ou muito, aqui e ali, pelo caminho. É a intenção de não desistirmos de nós mesmos, por maior que às vezes seja a tentação. São os gestos de gentileza e ternura que somente os fortes conseguem ter.

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

spindle

Estou ligeiramente fora do meu eixo , 
e isso nem deve ser tão ruim assim.

caminho

tem coisa mais bonita
que a porta de saída
dar na vida.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

suposição.

Se você não existisse ,mesmo assim seria. Ainda que no vazio teria qualquer sinal seu: um aviso .
D
e que a vida é feliz.
Mesmo supondo você num sonho, no caminho de volta pra casa , no levantar de madrugada , pensar em voce acolhe.

ele.

A maioria dos risos dele é imaginação minha , mas lembro de verdade dos dias em que ele riu quando eu disse que não , quando disse que sim , é tem coisas que só eu vou entender.

contudo, tento.


o que falo é menor do que eu
palavras são peso
só quero tirar o peso

dizer com o olhar 
o que se força com o olhar

tudo é força

deus, você – e eu
sabemos que não existe verdade

por que culpar por tentar ser?

deus, você e eu
ainda 
sem respostas.

terça-feira, 26 de outubro de 2010

porto.

meus pés encontram o chão e faz sentido
eu, porto seu
você, porto meu

a vida não é uma abstração se estamos perdidos e juntos.

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

25/10/2010

E se ainda eu não consigo explicar você pra mim,
 eu simplesmente aceito e agradeço.

domingo, 24 de outubro de 2010

no lugar.

Gosto de muitas coisas ao mesmo tempo e me confundo inteiro e fico todo enrolado correndo de uma estrela cadente para a outra até desistir. Assim é a noite, e é isso que ela faz com você, eu não tinha nada a oferecer a ninguém, a não ser a minha própria confusão.

Jack Kerouac.

sábado, 23 de outubro de 2010

dos olhares

Primeiro é o amor sem fim.
A segunda é ver o outono.
A terceira é o grave inverno.
Em quarto lugar o verão.
A quinta coisa são teus olhos...

Não quero dormir sem teus olhos...
Não quero ser, sem que me olhes...

Abro mão da primavera para que
continues me olhando.

Pablo Neruda.

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

reticências II

intimidade é quando se conta as paisagens que vê enquanto cria o caminho, quando se anda descalço, sem medo de ferir os pés.

das emoções.

Pelo fato da vida ser, relativamente, tão curta e não comportar "reprises", para emendarmos nossos erros, somos forçados a agir, na maior parte das vezes, por impulsos, em especial nos atos que tendem a determinar nosso futuro. Somos como atores convocados a representar uma tragédia (ou comédia), sem ter feito um único ensaio, apenas com uma ligeira e apressada leitura do script. Nunca saberemos, de fato, se a intuição que nos determinou seguir certo sentimento foi correta ou não. Não há tempo para essa verificação. Por isso, precisamos cuidar das nossas emoções com carinho muito especial.

De A insustentável leveza do ser, Milan Kundera.

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

outro alguém.

Fui achando meus espaços, descartando meus pecados, acreditando nas escolhas.
 Hoje tenho o andar mais solto, não pela facilidade do caminho, 
mas por ter total domínio dos meus pés.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

sobre o amor

O que aprendi sobre o amor é que ele deve estar sempre distraído. Mas quando falta o objeto do amor é o contrário: melhor não se distrair nunca.

terça-feira, 19 de outubro de 2010

estive pensando ...

Estive pensando nesse mistério que faz com que a vida da gente se encante tanto por outra vida. E sinta vontade de escrever poemas. Garimpar estrelas. Deixar florir pelo corpo os sorrisos que nascem no coração. Nesse mistério que nos faz olhar a mesma imagem inúmeras vezes, sem cansaço, seja ela feita de papel ou de memória. Que nos faz respirar feliz que nem folha orvalhada. Querer caber, com frequência, no mesmo metro quadrado onde a tal vida está. Cantarolar pela rua aquela canção que a gente não tinha a mínima ideia de que lembrava.
Estive pensando nesse mistério que faz com que a vida da gente encontre essa vida na multidão planetária de bilhões de outras. E sem saber que ela existia, perceba ao encontrá-la que sentia saudade dela antes de conhecê-la. Estive pensando nesse mistério que faz com que aquela vida que acaba de encontrar a nossa nos deixe com a impressão de estar no nosso caminho desde sempre, como se fosse um sol que esteve o tempo todo ali e a gente somente não o ouvia cantar. Nesse mistério que nos faz trocar buquês dos olhares mais cuidadosos. Que nos faz querer cultivar jardins, lado a lado. Nesse mistério que faz com que a nossa vida queira um bem tão grande à outra vida, que vai ver que isso já é uma prece e a gente nem desconfia.
Estive pensando nesse mistério lindo que você é para alguém e alguém é para você ou que ainda serão um para o outro. Nessa oportunidade preciosa dos encontros que nos fazem crescer no amor com o tempero bom da ludicidade. Nesse clima de passeio noturno em pracinha de cidade pequena. Nessa paz que convida o coração pra recostar e repousar cansaços. Nesse lume capaz de clarear um quarteirão inteirinho da alma. Nesse abraço com braços que começam dentro da gente. Nessa vontade de deixar o mundo todo pra depois só para saborear cada milímetro do momento embrulhado pra presente.

domingo, 17 de outubro de 2010

vem depressa.

E cada palavra é um pedaço de coração, meu. Pensamentos são fogos de artifício. 
Que medo alegre, o de te esperar. Chega cá, chega!

Eu sei que não faz sentido, amor, mas eu não peço tua razão. Quero mesmo teus beijos quentes em minha nuca, tuas mãos dando voltas em minha cintura e teus olhos de criança me pedindo sempre mais. Quero tua voz que tanto me acalma e teu silêncio que, tenho certeza, esconde toda paz do mundo. Te quero por inteiro sabendo que só sei ser metade longe de ti. Eu preciso de você, pra poder fingir!

sábado, 16 de outubro de 2010

vem de você.

"Vem de longe, vem no escuro, brota que nem mato que dispensa cuidado e cresce com a mais remota chuva. Vem de dentro e fundo e com urgência. Amor vem de amor. Que não cabe, mas assim mesmo a gente guarda. A gente empurra, dobra, faz força, deixa amassado num canto, no peito, no escuro, dentro, ou larga pegando sereno. Amor vem de amor. Vem do pedaço mais feio, do mais sem palavra, do triste, vem de mãos estendidas. É tecido desfeito pelo tempo, amarelecido pelo tempo, pelo cheiro da gaveta fechada, pelo riscado do sol na madeira. Amor vem de amor. Vem de coisa que arrebata, vira chão, terra, cisco, resto, rastro, coisa para sempre varrida. É delicadeza viva forte violenta. Que faz doer, partir, deixar caído. Amor vem de amor. E dói bonito".

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

tipo eu.

Sou convencional, apesar de não ser normal. Se eu me corto, eu sangro. Se bato o dedo no pé da mesa, dói. Sou uma pessoa comum. Acredito no até que a morte nos separe e também no eterno enquanto dure. Acredito que, se eu sou capaz de ser fiel, alguém mais pode ser. Acredito que eu não sou uma laranja, mas preciso da minha outra metade pra me sentir inteira. Valorizo as pequenas atitudes, assim como condeno pequenas mancadas. Sou rancorosa, guardo por anos uma coisa que me magoou de verdade. Sei perdoar. Passo por cima dos erros pra ficar junto das pessoas que eu gosto. Tenho meus limites. O primeiro deles é meu amor-próprio. Perdôo uma vez, porque errar é humano. Perdôo duas porque o ser humano é estúpido às vezes. Mas não posso viver perdoando, porque isso seria incompetência minha.

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

aponta pra fé e rema.

Sou obsessiva. Completamente. De certa forma, creio que essa característica tenha me ajudado a ser quem sou, mas ela é burra no que se refere ao amor. Eu quero que o outro - qualquer um, qualquer um mesmo, quando esse um está disfarçado em nomes próprios - tenha a noção de como seria incrível viver aquele um-pouco-mais comigo.






T.B

terça-feira, 12 de outubro de 2010

pleurer.

Talvez o choro impeça que as pessoas enlouqueçam. 
Simplesmente há coisas que não podem ser reveladas, e há coisas que ninguém pode modificar.



segunda-feira, 11 de outubro de 2010

imposição.

Coisas da vida. Nada de coincidências. 
Apenas um caminho que nós criamos, baseando-nos no que nos é fatalmente imposto.

domingo, 10 de outubro de 2010

tenho sentido.


   O que os olhos não vêem o coração pressente . Sempre.

sábado, 9 de outubro de 2010

tempo fechado .




As atitudes tomadas ao longo de nossas vidas , podem nos acarretar a erros sucintos , ou aqueles que nunca poderão ser consertados durante a trajetória de uma pequena existência.

As palavras ditas nos olhos refletem na alma, e cada palavra solta e nao medida pode ser a culpa de qualquer atitude que nao deveria ser tomada.
Cuidado com o que se é ,e o que se ouve , porque nem sempre voce é o que queria ser, muito menos ouve o que pretendia ouvir.


quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Incansavelmente.

O começo sempre será difícil. Conhecer o novo, sair da zona de conforto e de segurança. Ir além, ir após. Começar é uma tortura para chegar em algo que será extramente ótimo ou não. Começar é dar o primeiro passo, não vacilar. Começar é abrir a janela de manhã, respirar bem fundo e saber que daqui meio minuto os abençoados problemas do dia irão surgir. Começar é trocar o pão pelo biscoito, o frito pelo assado, descobrir o gosto da rúcula aos 17. Começar é saber que cebolas são disfarces para quem tem vergonha do choro, e que as piadas sem graça é a desculpa de quem a tem como o único motivo para o riso. Amores virão depois das paixões, palavras certas sempre virão depois das erradas, a resposta certa virá quando o ato errado foi cometido, televisões novas estragam e garantias são perda de tempo, o telefonema mais esperado irá chegar enquanto estamos tomando banho com o rádio no último volume, as cartas não chegam, nem os e-mails, nem a esperança, as taças caras quebram como os copos de geléia analfabetos ganham o país e poemas do Mario passam sem aclamação. Começar pode ser aos 17. Pode ser aos 30. Pode ser aos 85. Começar pode ser ao som de Legião ou no apaixonar de Chico. Debaixo de uma mangueira, debaixo de uma chuva torrencial. Começar no Rio, pousar em Curitiba, recomeçar na Avenida Paulista, dormir no braços de Cristo e "passar uma tarde em Itapuã, ao sol que arde em Itapuã, ouvindo o mar de Itapuã...".
Começar é de repente perceber que já se está na metade do caminho. Começar é dar mais valor ao tempo que temos e descobrir como é uma tortura o tempo que não temos. Começar é dar possibilidade de que alguma coisa aconteça aqui ou em Amsterdã. O beijo é o começo do amor. O amor é o começo do plano. O plano é o começo do caos. O caos é o começo da família. A família é o começo dos herdeiros. Os herdeiros são o começo do futuro. E o futuro já não é mais tão perto e nem tão para a gente. O futuro, aparentemente é o fim que nos espera. Espera para começar.




, diz o hoje !

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

bipolar.

            Ruim é ter a porta aberta e não poder entar , 
                 sentir a almofada fofa , sem tocar...
                         Bom mesmo; 
               é quando o aconchego do abraço,
                         diz mais que a vastidão da gargalhada.

terça-feira, 5 de outubro de 2010

espelho.

No vazio cabe um monte de coisa, mas nenhuma se encaixa.
Todas deslizam pelo rio de lágrimas que inundam todos os meus andares vazios. 
A hora que eu chorar, vai ser o choro mais triste do mundo.

domingo, 3 de outubro de 2010

domingo é meu inferno astral.

Meus amigos reclamam quando suas namoradas o perseguem. Lamentam o barraco do ciúme, a insistência dos telefonemas para falarem praticamente nada, o cerceamento dos horários. Sempre as mesmas tramas de tolhimento da liberdade, que todos concordam e soltam gargalhadas buscando um refúgio para respirar. Eu me faço de surda.


Fico com vontade de pedir emprestada a chave da prisão para passar o domingo.

sábado, 2 de outubro de 2010

entre aspas.

Eu sou essa gente que se dói inteira;
 porque não vive só na superfície das coisas.

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Amar-dorismo.


Não me lembro mais qual foi nosso começo.
 Sei que não começamos pelo começo. 
Já era amor antes de ser.

'Vejo meu bem com seus olhos
E é com meus olhos. Que o meu bem me vê'


 ChicoBuarque.