sexta-feira, 22 de outubro de 2010

das emoções.

Pelo fato da vida ser, relativamente, tão curta e não comportar "reprises", para emendarmos nossos erros, somos forçados a agir, na maior parte das vezes, por impulsos, em especial nos atos que tendem a determinar nosso futuro. Somos como atores convocados a representar uma tragédia (ou comédia), sem ter feito um único ensaio, apenas com uma ligeira e apressada leitura do script. Nunca saberemos, de fato, se a intuição que nos determinou seguir certo sentimento foi correta ou não. Não há tempo para essa verificação. Por isso, precisamos cuidar das nossas emoções com carinho muito especial.

De A insustentável leveza do ser, Milan Kundera.

Nenhum comentário:

Postar um comentário